Exposições

> ATUAIS

Atensão – Carlos Zilio

03 de Dezembro a 02 de Abril de 2017

A leitura da exposição deve partir do princípio de que o seu objetivo está presente nos mínimos detalhes. As partes existem em função do todo; isoladamente, ficam sem sentido.

Os elementos constituintes de cada peça estão relacionados necessariamente entre si. Alguns sustentam, outros são sustentados em um equilíbrio precário.

A matéria é importante. Tábuas, tijolos, cabos de aço, pedras. Materiais de construção, prestes a desabar.

A direção do projeto é dar margem à formação de uma ampla articulação de conceitos que envolve o campo psicológico e o social; os significados objetivos e subjetivos interligados: um som (o seu ritmo), a pedra por um fio (a quase ruptura).

Há em alguns trabalhos uma ligação direta com a física. Mas, quando transposta para a área da exposição, tem o seu sentido modificado, servindo o museu como o elemento consagrador do conceito de arte.

O trabalho não respeita nenhuma ideia de estilo; as modificações ocorrem em uma lógica que busca a superação das contradições internas da minha produção e impedem a manipulação comercializante, procurando um relacionamento crítico com o sistema da arte.

A linguagem está imersa na minha fantasmática, mas é preciso situar o projeto historicamente. O meu e o nosso tempo. O meu e o nosso universo. Tempo de tensões, pressões e (des)equilíbrios.

Carlos Zilio
Julho de 1976

-

attension

The exhibition should be interpreted on the understanding that its objective is present in the smallest details. The parts exist as a function of the whole; in isolation, they make no sense.

The constituent elements of each piece are essentially related to one another. Some are supporting, while others are supported in a precarious equilibrium.

The material is important. Boards, bricks, steel cables, stones. Building materials about to topple over.

The project is designed to make room for the formation of a broad spectrum of interrelated concepts that involve the psychological and social fields; interlinked objective and subjective meanings: a sound (its rhythm), a stone by a thread (almost breaking).
In some of the works there is a direct link with physics. But when it is transposed to the exhibition space, its meaning is modified, serving the museum as a founding element of the concept of art.

The work does not respect any idea of style; the modifications take place within a rationale that seeks to overcome the internal contradictions of my output and prevent any commercializing manipulation, seeking a critical relationship with the art system.

The language is immersed in my dreamworld, but the project must be historically situated. My and our time. My and our universe. A time of tensions, pressure and (im)balance.

Carlos Zilio
July 1976

 

Coordenação geral: Vanda Klabin
Montagem: Jaime Vilaseca
Realização: Mantenedores do MAM Rio

 

Compartilhe

  • Mantenedores