Apresentação

Arquitetura

1948

03 de maio – O Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro nasce oficialmente como entidade civil. Instalado provisoriamente em uma das salas do Banco Boavista.

1952

15 de janeiro – Transfere-se para o térreo do edifício do Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema.

O arquiteto Affonso Eduardo Reidy elabora o ante-projeto da sede do Museu.

1953

03 de janeiro – Publicado o termo de doação do terreno no Diário Oficial.

01 de julho – Publicada a aprovação da demarcação do terreno no Diário Oficial.

O projeto da sede do MAM RJ é elaborado por Reidy e o paisagismo por Roberto Burle Marx.

1954

09 de dezembro – O Presidente da República João Café Filho crava a estaca fundamental da sede do Museu – início da construção do Bloco Escola.

 Preparação do terreno para construção, 1954.

Preparação do terreno para construção, 1954.

1956

Junho – Iniciadas as obras do Bloco de Exposições.

 Escritório de obras, 1955.

Escritório de obras, 1955.

1958

17 de janeiro – O Presidente Juscelino Kubitschek planta a primeira de uma série de 48 palmeiras nos jardins do Museu.

27 de janeiro – Inauguração do Bloco Escola com a presença do Presidente Juscelino Kubitschek.

Bloco Escola, 1958.

Bloco Escola, 1958.

1962

O projeto da Passarela Paulo Bittencourt é elaborado por Reidy com a colaboração do engenheiro Sidney Santos.

O projeto de urbanização do Aterro do Flamengo volta a ser elaborado pelo grupo de trabalho presidido por Maria Carlota de Macedo Soares, tendo Reidy como urbanista.

1963

22 de agosto – Inauguração da passarela após oito meses de obras.

1965

12 de outubro – O Parque Brigadeiro Eduardo Gomes (Aterro do Flamengo) é informalmente inaugurado.

Bloco de Exposições, 1965.

Bloco de Exposições, 1965.

1967

Abril – Demolição da marquise do Bloco de Exposições.

30 de outubro – Inauguração do Bloco de Exposições com uma retrospectiva de Lasar Segall. As fundações e a marquise do Teatro já encontravam-se construídas.

1978

08 de julho – Incêndio no Bloco de Exposições.

2005

15 de agosto – São retomadas as obras de construção do Teatro.

2006

10 de novembro – Inauguração do Teatro.

Voltar para o topo

Diretoria

1948

Presidente de Honra – Gustavo Capanema Presidente – Raymundo Ottoni de Castro Maya

1952

Presidente interino – Francisco Clementino de San Tiago Dantas

1953

Presidente – Maurício Nabuco

1961

Presidente de Honra – Niomar Moniz Sodré Presidente – Gustavo Capanema

1966

Presidente – Rui Gomes de Almeida

1968

Presidente – Walter Moreira Salles

1974

Presidente – Ivo Hélcio Jardim de Campos Pitanguy

1985

Presidente – Manoel Francisco do Nascimento Brito

2002

Presidente interino – João Maurício Ottoni Wanderley de Araújo Pinho

2002

Presidente – João Maurício Ottoni Wanderley de Araújo Pinho

2008

Presidente – Carlos Alberto Gouvêa Chateaubriand

Voltar para o topo

Ficha técnica

Museu de Arte Moderna

Rio de Janeiro

 

Av Infante Dom Henrique 85

Parque do Flamengo

20021-140Riode Janeiro RJ

Brasil

mamrio.org.br

facebook/museudeartemodernarj

twitter/mam_rio

instagram.com/euvoceeomam

youtube.com/mamriodejaneiro

 

Mantenedores / Sponsors

Petrobras

Bradesco Seguros

Light

Organização Techint

 

Parceiros / Partners

Bolsa de Arte do Rio de Janeiro

Credit Suisse Hedging-Griffo

IP Capital Partners

Mica Mídia Cards

Revista Piauí

Salta Elevadores

 

Lei de Incentivo à Cultura

Ministério da Cultura

 

Projetos especiais / Special Projects

Arte no Arquivo – CAIXA

 

 

 

 

 

Presidente / President

Carlos Alberto Gouvêa Chateaubriand

 

Vice-presidente / Vice President

João Maurício de Araujo Pinho Filho

 

Diretor / Director

Luiz Schymura

 

Conselho Deliberativo / Deliberative Council

Armando Strozenberg

Carlos Alberto Gouvêa Chateaubriand

Demósthenes M. de Pinho Filho

Elisabete Carneiro Floris

Gilberto Chateaubriand [Presidente / President]

Gustavo Martins de Almeida

Heitor Reis

Helio Portocarrero

Henrique Luz

João Maurício de Araujo Pinho [Vice-Presidente / Vice President]

João Maurício de Araujo Pinho Filho

Joaquim Paiva

José Olympio Pereira

Kátia Mindlin Leite Barbosa

Luis Antonio de Almeida Braga

Luiz Carlos Barreto

Luiz Schymura

Nelson Eizirik

Paulo Albert Weyland Vieira

Paulo Roberto Ribeiro Pinto

 

Artes Plásticas / Visual Arts

Luiz Camillo Osorio [Curador / Curator]

 

Museologia e Montagem / Museology and Setting Up 

Veronica Cavalcante

Cátia Louredo

Fátima Noronha

Cosme de Souza

José Marcelo Peçanha

 

Produção e Salão de Exposições / Production and Exhibition Hall

Hugo Bianco [Coordenador / Coordinator]

Julliana dos Santos e Silva

Lucia Meneghini

Eduardo Ribeiro

Ana Paula Pinheiro

Jucelia de Karla Souto

Glayton Lisboa

 

Sócios e Parceiros / Associates and Partners

Alessandro Hage

 

Design

Carla Marins [Coordenadora / Coordinator]

Mariana Boghossian

Rafael Rodrigues

Alice Assaf, Matheus Freitas [Estagiários / Trainees]

 

Cinemateca / Film Archive

Gilberto Santeiro [Curador / Curator]

Hernani Heffner [Conservador / Head of Preservation]

Carlos Eduardo Pereira

Fabrício Felice

Edson Gomes

Sidney de Mattos

 

Pesquisa e Documentação / Research and Documentation

Elizabeth Catoia Varela [Curadora / Curator]

Cláudio Barbosa

Maurício Sales

Verônica de Sá Ferreira

Aline Siqueira

Flávio Augusto

[Estagiários / Trainees]

Alessandra de Sant’Anna

Ana Carolina Pazo

Gabrielle Batista

Joana Pinho

Luciana Nobre

Marina Otero

Priscilla Lazaro

Roberta Aleixo

Tainá Bandini

Verônica dos Santos

 

Educação e Arte / Education and Art

Luiz Pizarro [Curador / Curator]

 

Administração e Finanças / Management and Finances

Henrique Andrade Oliveira

Cláudio Pereira

Eduardo Gomes Chaves

Sandra Borges dos Santos

Marcelo Barbara

Marcio Oliveira

Evelin Damascena

Adriana da Silva Pereira

José Geraldo Avelino

Luiz Carlos dos Santos

Neuza Pinheiro

Paulo Henrique Menezes

Rodrigo Soledade

Shirlei de Almeida Leite

Valdir Monteiro Leocádio

Tereza Cristina Vasconcelos

Thais Belarmino da Silva

 

Operações e Eventos / Operations and Events

Claudio Roberto

João Elias de Almeida

Marcelo Antonio de Almeida

Reginaldo Pessanha dos Santos

Roberto Monteiro Leocádio

Valdeir Adriano de Silis

Behar Engenharia [Consultoria / Consulting]

 

Recepção / Reception

Tânia Nascimento

Fabiana Lima

Gabriela Darmont Freire

 

Assessoria de Imprensa / Press Office

CW&A Comunicação

 

Segurança / Security

Transegur Vigilância e Segurança

 

 

Voltar para o topo

História

1948

É assinada a ata inaugural do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, tendo como Presidente Raymundo de Castro Maya e Presidente de Honra Gustavo Capanema. O pós-guerra favorece a aquisição de obras de artistas europeus para o Museu, tais como Pablo Picasso, Wassily Kandinsky e Paul Klee.

1949

A exposição inaugural, Pintura Européia Contemporânea, abre na sede do Banco Boavista, onde o Museu de Arte Moderna se instala provisoriamente.

1951

Realizada a I Bienal Internacional de São Paulo, na qual Max Bill, com sua escultura Unidade Tripartida, ganha o primeiro prêmio de escultura.

1952

O Museu é instalado no Palácio Gustavo Capanema, então sede do Ministério de Educação e Saúde. Em dezembro, a Câmara dos Vereadores aprova proposta de doação de terreno de 40 mil metros quadrados para a instituição.

1953

Realizada no Quitandinha, Petrópolis/RJ, a I Exposição Nacional de Arte Abstrata, de que participam alguns artistas que integraram o Grupo Frente, entre eles Ivan Serpa, Abraham Palatinik, Antonio Bandeira, Décio Vieira, Fayga Ostrower, Lygia Clark, Lygia Pape, Antonio Maluf, Aluísio Carvão, Anna Bella Geiger e Geraldo de Barros. No Museu de Arte Moderna, é realizada a exposição do Grupo de Artistas Modernos Argentinos, formado por Enio Iommi, Alfredo Hlito e Miguel Ocampo, entre outros.

Inauguração da exposição do Grupo de Artistas Modernos Argentinos, 1953.

Inauguração da exposição do Grupo de Artistas Modernos Argentinos, 1953.

 

 

 

 

 

 


1954

Affonso Eduardo Reidy projeta o prédio do Museu e Roberto Burle Marx realiza o projeto dos jardins.

1955

Em julho é fundada a Cinemateca do Museu de Arte Moderna, com sessões no auditório da ABI/Associação Brasileira de Imprensa.

Inauguração da sede do Museu de Arte Moderna – Bloco Escola, 27 jan. 1958.

Inauguração da sede do Museu de Arte Moderna – Bloco Escola, 27 jan. 1958.

 

 

 

 

 

 

 

1958

Conclui-se a construção do Bloco Escola, que passa a ser a sede do Museu de Arte Moderna. A mostra inaugural apresentou trabalhos do pintor inglês Ben Nicholson e de nove escultores britânicos contemporâneos.

Exposição de Ben Nicholson e esculturas britânicas, 1958.

Exposição de Ben Nicholson e esculturas britânicas, 1958.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1959

As mostras de Alexander Calder, Georges Mathieu e a I Exposição Neoconcreta, junto aos cursos de Ivan Serpa e John Friedlander transformam o Museu de Arte Moderna  em foco de transformação artística e na sede do neoconcretismo.

1960

Brasília é inaugurada, recebendo posteriormente o título de capital federal que pertencia ao Estado da Guanabara, atual Estado do Rio de Janeiro.

1961

Conferiu-se o título de Presidente de Honra a Niomar Moniz Sodré.

1964

Morre Affonso Eduardo Reidy, sem ver concluído seu projeto para o Museu.

1965

Mostras como Opinião 65 consolidam o Museu de Arte Moderna como pólo de vanguarda brasileira.

Em julho, o Museu de Arte Moderna é tombado juntamente com o Parque do Flamengo pelo IPHAN/Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

1967

Concluído o Bloco de Exposições. A mostra inaugural é uma retrospectiva de Lasar Segall.

Inaugurada no Museu de Arte Moderna a exposição Nova Objetividade Brasileira, na qual artistas da vanguarda nacional confrontaram o mercado de arte artistas da vanguarda nacional. Nessa mesma mostra, Hélio Oiticica exibe o penetrável Tropicália.

1968

A tensão entre o governo e o movimento estudantil ganhou nova dimensão quando o estudante secundarista Edson Luís foi morto. É realizada Passeata dos Cem Mil no Rio de Janeiro, contra a violência praticada pela polícia, atingindo estudantes e populares. Em 13 de dezembro, é promulgado o Ato Institucional nº 5, que reforçou os poderes discricionários do regime militar.

1969

Realizado o Salão da Bússola no Museu de Arte Moderna, no qual o artista Artur Barrio deixa sua primeira Trouxa Ensangüentada.

1970

Em plena ditadura, os Domingos da Criação fazem do imenso vão livre do Museu de Arte Moderna um espaço democrático que reúne público e artistas em um grande happening.

1971

Inaugurada a Bolsa de Arte do Rio de Janeiro.

1973

O Brasil vive o período chamado de o “milagre brasileiro”.

1978

Um incêndio destrói, em 8 de julho, praticamente toda a coleção do Museu, provocando também graves danos ao Bloco de Exposições. Nenhuma das telas da mostra  Arte Agora III – América Latina: Geometria sensível escapa ao fogo.

1982

Reabertura do Bloco de Exposições após extensos trabalhos de restauração.

1984

Aprovada na Câmara dos Deputados, em Brasília, a emenda constitucional restabelecendo as eleições diretas para presidente da República, pondo um fim à ditadura militar.

É realizada a exposição Como vai você, geração 80? na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. A mostra reuniu 123 artistas, entre os quais estavam Alexandre Dacosta, Cristina Canale, Eduardo Kac, Gervane de Paula, Luiz Zerbini e Sergio Romagnolo. Hoje a chamada “Geração 80″, em sua maioria, está representada no acervo do Museu de Arte Moderna.

1986

Realizada no Museu de Arte Moderna a exposição Transvanguardas e culturas nacionais. Participam da mostra os artistas Ivens Machado, Leonilson, Tunga, Victor Arruda, entre outros.

1989

Depois de 20 anos de ditadura, o Brasil elege novamente um presidente da República por voto direto.

1990

Criado o Galpão das Artes, anexo ao Museu de Arte Moderna no local previsto por Affonso Eduardo Reidy e onde até então funcionara o Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais/IBMEC.

1991

Realizada no Museu de Arte Moderna a exposição Experiência Neoconcreta.

1992

Realizada no Museu de Arte Moderna a exposição Eco Art 92 por ocasião da II Conferência Mundial para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, sediada pelo Rio de Janeiro.

1993

Gilberto Chateaubriand, um dos maiores colecionadores de arte moderna e contemporânea do País, deposita em regime de comodato sua coleção de cerca de 4000 obras no Museu de Arte Moderna.

1996

Inaugurado o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer.

1998

O Museu de Arte Moderna completa 50 anos. Inauguração da nova reserva técnica, dedicada a Regina Weinberg e José Mindlin.

1999

É realizada uma grande obra de recuperação do prédio. O Museu de Arte Moderna sedia a Cimeira, reunião de chefes de Estado da América Latina, Caribe, União Européia.

O Museu recebe a exposição Picasso: Anos de Guerra, 1937-1945, tornando-se um grande sucesso de público.

Inauguração da Sala Lygia Clark, que permanecerá aberta até fevereiro de 2002.

 Exposição Picasso: Anos de Guerra, 1937-1945, 1999.

Exposição Picasso: Anos de Guerra, 1937-1945, 1999.

 

 

 

 

 

 

 

2000

A Cinemateca do Museu de Arte Moderna comemora 45 anos de sua criação, em 7 de julho, com uma programação de lanterna mágica.

Inauguração da Sala Carmem Portinho, no segundo andar do Bloco de Exposições.

O Museu de Arte Moderna recebe a exposição Arte indígena, que integra a Mostra do Redescobrimento, em homenagem aos 500 anos de descobrimento do Brasil.

2002

Realizada a I Mostra Rio Arte Contemporânea no Museu de Arte Moderna, premiando novos artistas brasileiros contemporâneos.

Inaugurada a exposição Arquipélagos – universo plural do Museu de Arte Moderna, onde foram mostradas obras de arte, documentos, cartazes, plantas arquitetônicas, vídeos, além de outros itens que integram as coleções do Museu de Arte Moderna.

2004

O diálogo entre obras de importantes coleções se dá através da exposição  Encontros com o modernismo – destaques do Stedelijk Museum Amsterdam e das coleções MAM e Gilberto Chateaubriand.

2005

Realizada a exposição Luiz Alphonsus: 2005|1974, 31 anos na Coleção Gilberto Chateaubriand – Entre o Cósmico e a Cosmos Polis.

Retomada a construção do teatro projetado por Affonso Eduardo Reidy para o Museu de Arte Moderna.

O diplomata Joaquim Paiva, um dos maiores colecionadores de fotografia moderna e contemporânea do País, deposita em regime de comodato a parte brasileira de sua coleção de cerca de 1090 obras no Museu de Arte Moderna.

2006

O Museu recebe as mostras Roy Lichtenstein: vida animada  e  Joan Brossa, de Barcelona ao Novo Mundo.

A exposição O Brasil de Pierre Verger relembra sua produção fotográfica.

Um Século de Arte Brasileira – Coleção Gilberto Chateaubriand é o título da exposição itinerante e do livro publicado sobre esta Coleção.

Inauguração do teatro – terceira parte do projeto de Reidy para o conjunto arquitetônico do Museu.

É concluída a reforma da reserva técnica da Cinemateca do MAM RJ, com o apoio do BNDES.

2007

O Museu recebe as exposições Marilyn Monroe: o mito  e Tropicália. Esta última, reúne obras emblemáticas de importante período da arte brasileira.

2008

Poética da Percepção: questões da fenomenologia na arte brasileira é marcada por convidar o público a experimentar suas obras.

Thereza Miranda expõe gravuras e pinturas no Museu.

Imediações críticas é o título da exposição e do livro que reúne as críticas de Wilson Coutinho.

Inaugurada a exposição permanente Do Modernismo à Abstração Informal – Gilberto Chateaubriand MAM RJ , abrangendo a produção artística da primeira metade do século XX no Brasil.

MAM 60 anos  é a exposição comemorativa do aniversário do Museu, apresentando cinco núcleos expositivos que ocupam quase todo o Bloco de Exposições.

Exposição MAM 60 anos: Arte Brasileira 1963-1978, out. 2008.

Exposição MAM 60 anos: Arte Brasileira 1963-1978, out. 2008.

 

 

 

 

 

 


2009

A mostra Neoconcretismo – 50 anos comemora o aniversário da I Exposição Neoconcreta.

O MAM RJ sedia a exposição Jorge Guinle: Belo Caos.

2010

O Museu acolhe, em suas instalações, o III Fórum da Aliança de Civilizações.

Realizada a mostra Carlos Vergara: a dimensão gráfica / uma outra energia silenciosa.

Voltar para o topo

Missão

O Museu tem por fim:

a) difundir a produção moderna e contemporânea, nacional e internacional, não só no Rio de Janeiro como em todo o Brasil e no exterior, através de exposições de sua coleção, publicações e empréstimos de obras;

b) formar, manter e preservar a coleção de obras de arte moderna e contemporânea;

c) estimular a reflexão e o debate em torno da arte moderna e contemporânea através da organização e/ou participação em seminários, palestras, congressos e eventos;

d) organizar e disponibilizar a pesquisadores em geral a biblioteca e a documentação referente ao museu, assim como a base de dados digital de sua coleção;

e) contribuir para a formação de público por meio de atendimentos especiais a escolas, universidades e ao público em geral;

f) promover a exibição de filmes de interesse artístico e cultural;

g) desenvolver programas que disponibilizem bolsas de estudo a artistas no Brasil e no exterior;

h) explorar o seu próprio patrimônio com o objetivo de arrecadar fundos para o desenvolvimento de seus objetivos.

Voltar para o topo

  • Mantenedores