MAM Rio

CINEMATECA

> ATUAIS

Fevereiro 2016

Francisco Sérgio Moreira + Nelson, Moderno e Contemporâneo + Filmagem Clandestina + Musicais

Homenagem a Francisco Sérgio Moreira

A Cinemateca do MAM presta uma homenagem a Francisco Sérgio Moreira, Curador de Preservação e Restauração da instituição de 1979 a 1999, com a exibição de alguns títulos representativos de sua carreira como montador e como restaurador cinematográficos. Chico, como era carinhosamente conhecido entre os colegas, é uma das grandes referências da preservação audiovisual brasileira, seja por sua atuação junto à Cinemateca do MAM, seja pelo trabalho de restauração de inúmeros clássicos da filmografia brasileira dentro da instituição, de forma independente ou como responsável pelo Departamento de Restauração de Matrizes do laboratório Labocine/Cinecolor. Formado em Cinema pela UFF e com passagens nos anos 1970 pela TV Educativa do Rio de Janeiro e pelo Setor de Rádio e Televisão da Embrafilme, onde atuava como pesquisador, câmara e montador, ingressou na Cinemateca do MAM no final da década, impulsionando o arquivo a se tornar um dos mais importantes da América Latina, pelo acervo reunido e pela implantação de técnicas mais científicas de conservação dos materiais fílmicos. Após estágio no Staatlichesfilmarchiv de Berlim Oriental, desenvolveu enorme interesse pela restauração de filmes, procurando adaptar os processos ao universo brasileiro e seus problemas, onde a maioria dos negativos desaparece ou fica comprometido rapidamente. Ainda na Cinemateca do MAM empreendeu restaurações complexas, como a deCapitu, que salvou a partir de 9 cópias diferentes, em trabalho de grande desafio técnico quanto à reconstituição editorial e fotográfica. Ao sair da instituição, implementou e assumiu o departamento de restauração da Labocine em 2000, vindo a conduzir grande parte dos trabalhos realizados nos últimos 15 anos, com destaque para as restaurações de filmes da Cinédia, do Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro e do cineasta Nelson Pereira dos Santos. Como montador ganhou prêmios por obras como Os Anos JK e Rua Escadinha 162, além de ser um dos pioneiros na pesquisa e edição e imagens de arquivo, uma vertente que o leva do antigo filme de compilação ao atual cinema de arquivo, com destaque para os ensaios experimentais à lafoundfootage. A importância e o legado de sua atuação no meio cinematográfico e de preservação audiovisual são enormes e proporcionais ao vazio deixado. A memória e a contribuição de Chico ao mundo cinema serão lembrados em dois debates reunindo amigos, colaboradores e companheiros de trabalho.

 

Nelson, Moderno e Contemporâneo

Acompanhando a apresentação contínua no Auditório Cosme Alves Netto de Ninguém ama ninguém… por mais de dois anos…, um novo formato de divulgação do cinema brasileiro contemporâneo na grade da Cinemateca, serão exibidos mais alguns títulos clássicos adaptados da obra do dramaturgo Nelson Rodrigues, com destaque para a presença da família Torres – Fernando Torres, Fernanda Montenegro, Fernanda Torres e Cláudio Torres – explorando as nuances das inúmeras “tragédias cariocas”. A projeção inaugural do filme de Clóvis Mello será seguida de debate.

 

Filmagem Clandestina

A era digital trouxe para a vida cotidiana um sem número de equipamentos cada vez mais miniaturizados e de funções convergentes (fotografia, filmagem, gravação sonora, redação, cálculo, telefonia, etc., etc., etc.), com destaque para os chamados spygadgets. Junto a outras tecnologias comodrones, GPS e câmaras GoPro, as invenções tem revolucionado a cinematografia contemporânea e propiciado também tanto uma cultura da vigilância, como da resistência social e política, com a transmissão em tempo real de ações como a Primavera Árabe, o Occupy Wall Street e as Jornadas de Junho no Brasil. O registro, quando realizado sem o conhecimento e eventual consentimento das pessoas à volta, têm proporcionado variadas situações e apropriações, inclusive de ordem estética. A pequena mostra organizada sob a rubrica de “Filmagem Clandestina” procura evidenciar que o procedimento não é novo, e encobre diferentes estratégias como ocultar a filmagem dos passantes, da lei, do poder central e até mesma de uma empresa ou instituição.

 

Música, músicos e musicais

Finalizando a programação iniciada em janeiro e dedicada ao universo musical, a Cinemateca apresentará na semana anterior ao Carnaval mais alguns títulos, com destaque para a apresentação ao vivo do pianista e programador Cadu Pereira, que tocará músicas de Kurt Weill, e para a exibição em seguida de uma rara trilha composta diretamente para cinema do famoso compositor alemão.

 

ter 2

18h30 – Assim dançou o comunismo (Eastsidestory) de Dana Ranga. Alemanha, 1997. Documentário. 75’. Legendas em português. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 10 anos

 

qua 3

16h30 – A ópera dos pobres (L’opéra de quat’sous) de Georg WilhemPabst. Alemanha/EUA, 1931. Com Albert Préjean e Florelle. 104’. Legendas em inglês. Exibição em MP4.

Classificação indicativa 10 anos

18h – Cadu Pereira toca Kurt Weill. Apresentação do pianista, programador e responsável pelo acompanhamento de filmes silenciosos na Cinemateca do MAM, homenageando o compositor Kurt Weill.

Classificação indicativa Livre

18h30 – Casamento proibido (Youand Me) de Fritz Lang. EUA, 1938. Com Sylvia Sidney e George Raft. 90’. Legendas em português. Exibição em MP4.

Classificação indicativa 14 anos

 

qui 4

16h30 – Alô! Alô! Carnaval!de Adhemar Gonzaga. Com Barbosa Jr. e Pinto Filho. 85’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa Livre

18h30 – Orfeu do Carnaval (Orfeu Negro) de Marcel Camus. França/Itália/Brasil, 1959. Com Breno Mello e MarpessaDawn. 100’. Exibição em DVD.

Classificação indicativa 14 anos

 

qui 11

16h30 – Homenagem a Francisco Sérgio Moreira, montador – Os anos JK: uma trajetória políticade Sílvio Tendler. Brasil, 1980. Documentário. 109’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 10 Anos

18h30 – Homenagem a Francisco Sérgio Moreira: Chico Montador – Rua Escadinha 162 de Márcio Câmara. Brasil, 2003. Documentário. 18’. Exibição em 35mm. A Maldição do Samba de Remier Lion. Brasil, 1998. Experimental. 15’. Exibição em 35mm. Heliorama de Ivan Cardoso. Brasil, 2003. Experimental. 15’. Exibição em 35mm. Sessão seguida de debate com os cineastas Ivan Cardoso, Sylvio Back e Sílvio Tendler e com mediação do cineasta, escritor e pesquisador Remier Lion

Classificação indicativa 14 anos

 

sex12

16h30 – Homenagem a Francisco Sérgio Moreira, restaurador – Capitu de Paulo César Saraceni. Brasil, 1968. Com Isabella, Othon Bastos e Raul Cortez. 105’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 14 anos

18h30 –Homenagem a Francisco Sérgio Moreira: Chico Conservador e Restaurador –A Bolandeirade Vladimir Carvalho. Brasil, 1969. Documentário. 18’. Exibição em 35mm.Cinemateca: restauração e memória I e II (fragmento) de Marcos de Souza Mendes. Brasil, 1992. Documentário. Exibição em DVD. Sessão seguida de debate com o Cineasta Vladimir Carvalho, o Coordenador Geral de Processamento e Preservação de Acervo do Arquivo Nacional Mauro Domingues, a Presidente do Sindicato da Indústria Audiovisual Sílvia Rabello, a Professora da Universidade Federal Fluminense Elianne Ivoe o Curador Adjunto e Conservador-Chefe da Cinemateca do MAM Hernani Heffner, e com mediação do professor da Universidade Federal Fluminense e Diretor Técnico da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual-ABPA Rafael de Luna Freire.

Classificação indicativa Livre

 

sab 13

16h – Homenagem a Francisco Sérgio Moreira, montador – Por 30 dinheiros de Vânia Perazzo Barbosa e Ivan Hlebarov. Brasil, 2005. Com Osvaldo Mil, Ilya São Paulo e Cláudia Alencar. 90’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 10 Anos

18h – Homenagem a Francisco Sérgio Moreira, restaurador – Vidas secas de Nelson Pereira dos Santos. Brasil, 1963. Com ÁtilaIório e Maria Ribeiro. 103’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa Livre

 

dom 14

14h – Homenagem a Francisco Sérgio Moreira, montador – O canto da terra de Paulo Rufino. Brasil, 1991. Documentário. 44’. Versão brasileira. Exibição em 35mm.Negros de cedro de Manfredo Caldas. Brasil, 1998. Documentário. 17’. Exibição em 35mm. Zweig: a morte em cena de Sylvio Back. Brasil, 1994. Documentário. 43’. Exibição em 16mm.

Classificação indicativa 10 anos

16h –Homenagem a Francisco Sérgio Moreira, restaurador – O país de São Saruêde Vladimir Carvalho. Brasil, 1970. Documentário. 80’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa Livre

18h –Homenagem a Francisco Sérgio Moreira, restaurador –Vida provisória de Maurício Gomes Leite.Brasil, 1968. Com Paulo José e Dina Sfat. 88’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 10 anos

 

ter 16

 

18h30 – Filmagem Clandestina – O sal da terra(Salt ofthe Earth) de Herbert Biberman. EUA, 1954. Com RosarioRevueltas e Will Geer. 94’. Legendas em português. Exibição em MP4.

Classificação indicativa 10 anos

 

qua 17

18h30 – Filmagem Clandestina – Cabra marcado para morrer de Eduardo Coutinho. Brasil, 1964-84. Documentário. 119’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 10 anos

 

qui 18

18h30 – Sala Escura –Barroco de Paul Leduc. México, 1989. Com Francisco Rabal e Ángela Molina. 115’. Exibição em DVD.

 

sex 19

18h30 – Filmagem Clandestina – Os deserdados (Cry, thebeloved country) de ZoltanKorda. Grã-Bretanha, 1952. Com Canada Lee e Sidney Poitier. 103’. Legendas em português. Exibição em MP4.

Classificação indicativa 10 anos

 

sab 20

16h – Filmagem Clandestina – Volte, África (Come back, Africa) de Lionel Rogosin. África do Sul/EUA, 1959. Com VinahMakeba e ZachriaMakeba. 83’. Legendas em português. Exibição em MP4.

Classificação indicativa 14 anos

18h – Filmagem Clandestina –Ata Geral do Chile (Acta General de Chile) de Miguel Littín. Chile/Cuba, 1986. Documentário. 115’. Legendas em português. Exibição em MP4

Classificação indicativa 10 anos

 

dom 21

16h – Filmagem Clandestina – Fugindo do amanhã (Escape fromtomorrow) de Randy Moore. EUA, 2013. Com Roy Abramsohn e Elena Schuber. 90’. Legendas em português. Exibição em MP4.

Classificação indicativa 14 anos

18h – Filmagem Clandestina – Subterrâneo de José Eduardo Belmonte. Brasil, 2003. Com Murilo Grossi e Chico Sant’Anna. 92’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 16 anos

 

ter 23

18h30 – Nelson, Moderno e Contemporâneo – Ninguém ama ninguém… por mais de dois anos…de Clóvis Mello. Brasil, 2015. Com Gabriela Duarte, Pedro Brício e Michel Melamed. 113’. Exibição em DCP. Sessão seguida de debate.

Classificação indicativa 16 Anos

qua 24

16h30 – Nelson, Moderno e Contemporâneo – Ninguém ama ninguém… por mais de dois anos…de Clóvis Mello. Brasil, 2015. Com Gabriela Duarte, Pedro Brício e Michel Melamed. 113’. Exibição em DCP.

Classificação indicativa 16 Anos

18h30 – Nelson, Moderno e Contemporâneo – Boca de Ouro de Nelson Pereira dos Santos. Brasil, 1962. Com Odete Lara e Jece Valadão. 103’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 14 Anos

 

qui 25

16h30 – Nelson, Moderno e Contemporâneo – Ninguém ama ninguém… por mais de dois anos…de Clóvis Mello. Brasil, 2015. Com Gabriela Duarte, Pedro Brício e Michel Melamed. 113’. Exibição em DCP.

Classificação indicativa 16 Anos

18h30 – Sessão Plano – O desafio de Paulo César Saraceni. Brasil, 1965. Com Oduvaldo Vianna Filho e Isabella. 94’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 14 Anos

 

sex 26

16h30 – Nelson, Moderno e Contemporâneo – Ninguém ama ninguém… por mais de dois anos…de Clóvis Mello. Brasil, 2015. Com Gabriela Duarte, Pedro Brício e Michel Melamed. 113’. Exibição em DCP.

Classificação indicativa 16 Anos

18h30 – Nelson, Moderno e Contemporâneo – A falecida de Leon Hirzsman. Brasil, 1964. Com Fernanda Montenegro e Paulo Gracindo. 95’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 14 Anos

 

sab27

14h – Nelson, Moderno e Contemporâneo – Ninguém ama ninguém… por mais de dois anos…de Clóvis Mello. Brasil, 2015. Com Gabriela Duarte, Pedro Brício e Michel Melamed. 113’. Exibição em DCP.

Classificação indicativa 16 Anos

16h – Nelson, Moderno e Contemporâneo – Gêmeas de Andrucha Waddington. Brasil, 1999. Com Fernanda Torres, Evandro Mesquita e Fernanda Montenegro. 75’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 14 Anos

18h – Nelson, Moderno e Contemporâneo – Bonitinha, mas ordinária de Moacyr Góes. Brasil, 2008. Com João Miguel e Leandra Leal. 90’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 14 Anos

 

dom 28

14h – Nelson, Moderno e Contemporâneo – Ninguém ama ninguém… por mais de dois anos…de Clóvis Mello. Brasil, 2015. Com Gabriela Duarte, Pedro Brício e Michel Melamed. 113’. Exibição em DCP.

Classificação indicativa 16 Anos

16h – Nelson, Moderno e Contemporâneo – Traição de Arthur Fontes, José Henrique Fonseca e Cláudio Torres. Brasil, 1998. Com Ludmila Dayer, Pedro Cardoso e Fernanda Torres. 100’. Exibição em 35mm.

Classificação indicativa 14 Anos

18h – Nelson, Moderno e Contemporâneo – Engraçadinha depois dos trinta de J.B. Tanko. Brasil, 1966. Com Irma Alvarez, Fernando Torres e Vera Vianna. 92’. Exibição em MP4.

Classificação indicativa 16 Anos

 

seg 29

19h – Pré-estréia – Arpoador, praia e democracia de Hélio Pitanga e Hamsa Wood. Brasil, 2016. Documentário. 80’. Sessão seguida de debate com o realizador Hélio Pitanga, Milton Teixeira, JomTob Azulay e Nelson Hoineff.

Classificação indicativa 10 anos