CINEMATECA

> ATUAIS

Junho 2016

Poética da Memória – O Cinema de Paula Gaitán + Pré-estreia: Olympic pride, American prejudice + Lançamento de Revelando Sebastião Salgado + Brando, dos 27 aos 30 + A memória da Grande Fome na China + Jornada Interdisciplçinar de Som e Música no Audiovisual + Revisão histórica do Cinema Brasileiro

Poética da Memória – O Cinema de Paula Gaitán

parceria Aruac Filmes (Paula Gaitán, Eryk Rocha, Ava Rocha)

 

Com o lançamento em circuito no final de abril de Exilados do Vulcão, filme ganhador do 46o. Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Paula Gaitán alcançou notável feito para uma artista sem concessões e com carreira mais afeita ao universo do filme-ensaio e da videoarte. Nascida em Paris, criada na Colômbia, filha do poeta colombiano Jorge Gaitán Durán e da diretora teatral brasileira Dina Moscovici, estudou Belas Artes na Universidad de los Andes em Bogotá e Filosofia na Universidada Nacional de Colombia em Medellín. Mudou-se para o Brasil em 1977, onde iniciou sua carreira como cenógrafa e figurinista de Idade da Terra, de Glauber Rocha, diretor com quem casaria e faria ainda alguns programas da série Abertura. Em 1985, protagoniza o longa Amenic, de Fernando Silva, e se lança a uma fértil produção que a afasta do documentário mais tradicional e a insere no campo mais experimental. Uaka, de 1988, marca esta virada, aprofundada nas obras seguintes, até chegar à primeira ficção com Exilados, trabalho que consolida a investigação das potencialidades táteis da imagem, a pregnância do tempo presente e a necessária formulação da mundo via memória. Entre 1993 e 2000 voltou à Colômbia e realizou cerca de 40 documentários para o canal Señal. Sempre revolvendo suas fontes de inspiração poética, representadas na pequena mostra apresentada pela Cinemateca pelos perfis biográficos, Paula Gaitán continua a desenvolver um cinema que desafia a percepção mais óbvia e instiga o espectador a desvelar camada por camada da realidade sensível que forma o audiovisual contemporâneo.

 

 

Pré-estreia: Olympic pride, American prejudice

parceria Consulado dos Estados Unidos da Améri¬¬ca

 

 

Por ocasião da proximidade dos XXI Jogos Olímpicos e XV Jogos Paraolímpicos de Verão do Rio de Janeiro a Cinemateca apresenta e pré-estréia d o documentário Orgulho olímpico, preconceito americano, dirigido por Debora Riley Draper. Abordando a história pouco conhecida do grupo de esportistas negros participantes da Olimpíada de 1936, fortemente marcada pela ideologia racial nazista, o longa examina a origem, participação e o destino de cada um dos membros da delegação estadunidense. Investiga também o contexto segregacionista nos EUA na época e o significado histórico do triunfo dos competidores para o movimento dos direitos civis. Ao lado do sempre lembrado Jesse Owens, o filme tira do esquecimento outros ganhadores e participantes com histórias nção menos singulares e importantes. A sessão para convidados conta com a presença da realizadora e do ator e narrador do documentário Bruce Underwood e será seguida de debate com a presença do velocista Robson Caetano e da cineasta e diretora do programa de cultura da Rio 2016 Carla Camurati, enfocando a luta do negro contra o preconceito e a segregação racial e social.

 

Lançamento de Revelando Sebastião Salgado

 

Dando continuidade ao programa de lançamentos da Cinemateca, destinado a promover a circulação de filmes brasileiros que não conseguiram entrar em cartaz no circuito comercial e tiveram circulação limitada a mostras e festivais ou voltada para plataformas como a televisão e a internet, entra em cartaz este mês o documentário Revelando Sebastião Salgado, de Betse de Paula. Primeira abordagem cinematográfica do homem por trás do artista, com momentos de rara descontração e intimidade, a produção faz uma incursão à casa do fotógrafo em Paris, dali extraindo um relato biográfico e algumas pistas para a composição das célebres imagens. Com equipe de alta qualidade, com destaque para o diretor de fotografia Jacques Cheuiche, a montadora Dominique Paris e o músico recentemente falecido Naná Vasconcelos, parte de um roteiro elaborado pelo próprio filho de Salgado para estabelecer um quadro de referências em torno da vida e da obra do pai. Pouco visto em tela grande e lançado apenas em Brasília, o filme estréia no Rio de Janeiro reverberando a poderosa obra imagética do brasileiro de Aimorés e permitindo à Cinemateca a exploração do universo da fotografia em uma série de documentários brasileiros e estrangeiros, aproximados pelo mesmo interesse em torno do olho por trás da câmara.

 

Brando, dos 27 aos 30

Curadoria Júlio Miranda, parceria Instituto Parque do Flamengo, participação Casa de Artes Laranjeiras

O início da carreira de um dos maiores mitos do cinema, o ator estadunidense Marlon Brando (1924-2004). O pequeno ciclo traz clássicos como O selvagem e Sindicato de Ladrões. É uma oportunidade para ver o astro em formação, levando às últimas conseqüências os ensinamentos de sua mentora Stella Adler, que o incentivou a reagir instintivamente em cena, e assumindo progressivamente a imagem de uma nova juventude rebelde lá onde deveria haver apenas a revolução política consciente. Como apontou Roland Barthes no clássico livro Mitologias o “pega rapaz” do cabelo de Brando em Júlio César era mais incendiário do que a correção social do operário do filme de Kazan.

 

A memória da Grande Fome na China

Por iniciativa da Transnational Dialogues, plataforma cultural e artística entre Brasil, China e Europa, coordenada pela jornalista, produtora e curadora Fernanda Ramone, a Cinemateca apresenta duas obras integrantes do Projeto Memória Popular, iniciativa multidisciplinar do cineasta Wu Wenguang e da coreógrafa Wen Hui de recolhimento da memória oral das populações rurais da China, particularmente associados ao período da Grande Fome (1958-1961), quando cerca de 45 milhões de chineses morreram de inanição. Indicador da força do audiovisual como tecnologia de registro e reconstrução de uma memória pessoal, social e histórica, o PMP trabalha em regime de residência artística, tendo produzido até o momento 37 documentários, além da transcrição integral dos depoimentos brutos tomados. Os filmes apresentados recolhem esta memória através de estratégias de redescoberta familiar, ao se retomarem os contatos com parentes distantes, “desconhecidos” ou ignorados. A projeção dos documentários será complementada por duas obras brasileiras, que discutem a permanência ou não de um quadro similar, embora menos dramático, no Brasil.

 

Jornada Interdisciplçinar de Som e Música no Audiovisual

 

Com o objetivo de congregar pesquisadores nos campos da Música, Cinema e Comunicação Social e divulgar o crescente conhecimento em torno das relações que se desenvolvem entre essas áreas, a Cinemateca abrigará a I Jornada Interdisciplinar de Som e Música no Audiovisual, uma iniciativa do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro, coordenada por Rodolfo Caesar,  Luiza Alvim, Alexandre Brasile  Joice Scavone. Serão nove mesas-redondas com apresentações de trabalhos acadêmicos em torno das relações e confluências entre a música, a criação sonora e a expressão audiovisual.

 

Revisão histórica do Cinema Brasileiro

A aulas de História do Cinema Brasileiro do Curso de Cinema e Vídeo da Universidade Federal Fluminense, ministradas pelo professor Rafael de Luna Freire na Cinemateca mescla a atividade pedagógica com a oportunidade do público ter acesso à projeção e  debate. Investigando títulos há muito ausentes das telas cariocas, as sessões se apresentam como uma rara oportunidade de revisão de títulos que vem merecendo uma maior atenção dos pequisadores nos útimos anos. A programação conta com cópias restauradas pela Cinemateca Brasileira.

 

 

qua 1

18h30 – Fotógrafos: seleção de curtas – Muito Prazer, Walter Firmo de Vicente Duque Estrada e Zeka Araujo. Brasil, 2009. Documentário. 17’. Direitos humanos, a exceção e a regra de Gringo Cardia. Brasil, 2008. Ensaio. 10’. A João Guimarães Rosa de Roberto Santos. Brasil, 1968. Ensaio. 12’. Thomaz Farkas, brasileiro de Walter Lima Júnior. Brasil, 2003. Documentário. 13’. Exibição em MP4. Classificação indicativa Livre

 

qui2

18h30 – Sala Escura– Noites paraguayas de Aloysio Raulino. Brasil, 1982. Com Osmar Afrísio e Índio Alberto. 90’. Exibição em MP4. Classificação indicativa 16 anos

 

sex 3

18h30 – Revisão Histórica – É Simonal de Domingos de Oliveira. Brasil, 1970. Com Simonal, Irene Stefânia e Irma Alvarez. 95’. Exibição em 35mm. Sessão seguida de debate. Classificação indicativa 10 anos

 

sab 4

14h – Cineclube Parque do Flamengo: Brando, dos 27 aos 30 – Uma rua chamada pecado (A streetcar named desire) de Elia Kazan. Com Vivien Leigh, Marlon Brando e Kim Hunter. 122’. Legendas em português. Exibição em Bluray. Classificação indicativa 12 anos

 

17h – Risco Cinema: Programa Letícia Parente Preparação I. Brasil, 1975. 3’30”. Marca Registrada. Brasil, 1975. 10’30”. In. Brasil, 1975. 1’20”. Tarefa I. Brasil, 1982. 2′. Preparação II. Brasil, 1976. 7’40”. Quem piscou primeiro. Brasil, 1978. 1’10”. Espetacular. Brasil, 1978. 1’50”. O homem do braço e o braço do homem. Brasil, 1978. 6′. De aflicti – ora pro nobis. Brasil, 1979. 3’50”. Nordeste. Brasil, 1981. 1’50”. Telefone-sem fio. Brasil, 1976. 13′. Eu Armário de Mim. Brasil, 1975. 4′. Experimental. Exibição em MP4. Sessão seguida de debate com André Parente, Fernando Cocchiarale e Paulo Herkenhoff. Classificação indicativa 10 anos

 

dom 5

14h – Visita guiada à exposição Esboço de cinema: a arte do storyboard, com o Curador Hernani Heffner.

 

15h – Homenagem a Arturo Uranga – Era uma vez… de Arturo Uranga. Brasil, 1993. Com Anna Cotrime e Eduardo Felipe Pena. 100’. Exzibição em 35mm. Sessão seguida do debate ”Uranga e o storyboard”.

Classificação indicativa Livre

 

seg 6

19h – Pós-estréia – Exilados do vulcão de Paula Gaitán. Brasil, 2013. Com Clara Choveaux e Vincenzo Amato. 124’. Exibição em DCP. Sessão seguida dedebate com a realizadora. Classificação indicativa 16 anos

 

ter 7

18h30 – Poética da memória  – Uaka de Paula Gaitán. Brasil, 1988. Documentário. 90’. Exibição em 16mm. Classificação indicativa 14 anos

 

qua 8

18h30 – Poética da memória – Diário de Sintra de Paula Gaitán. Brasil, 2007. Documentário/Experimental. 90’. Exibição em DCP. Classificação indicativa 14 anos

 

qui9

18h30 – Poética da memória  – Agreste de Paula Gaitán. Brasil, 2010. Documentário/Experimental. 76’. Exibição em Bluray. Classificação indicativa 14 anos

 

sex 10

18h30 – Revisão Histórica – Gimba, presidente dos valentes de Flávio Rangel. Brasil, 1963. Com Paulo Copacabana, Jorge Coutinho e Ruth de Souza. 85’.  Exibição em 35mm. Sessão seguida de debate. Classificação indicativa 14 anos

 

sab 11

14h – Cineclube Parque do Flamengo: Brando, dos 27 aos 30 – Júlio César (Julius Caesar) de Joseph L. Mankiewicz. Com Marlon Brando e James Mason. 120’. Legendas em português. Exibição em Bluray. Classificação indicativa 12 anos

 

17h – Retrospectiva Sebastian Wiedemann – Tormenta na janela (Sturm im Fernster). Colômbia/Argentina, 2013. Experimental. 1′.  Derrames. Colômbia/Argentina, 2011. Experimental. 19’. Passagem (Zugang). Colômbia/Argentina, 2010-1. Experimental. 14’. Ondas. Colômbia/Brasil, 2015. Experimental. 10’. Tentativa de movimento (Try to move). Colômbia/Argentina, 2012. Experimental. 5’. Abismo. Colômbia/Argentina, 2012. Experimental. 4’. Ser-Gato (Être-Chat). Colômbia/Brasil/França/Japão, 2014. Experimental. 20’.  Os (de)pendentes  (Los (de)pendientes). Colômbia/Argentina, 2016. Experimental. 24′. Exibição em MP4. Sessão seguida de debate com o realizador. Classificação indicativa 10 anos

 

dom 12

14h – Poética da memória – Olho d’água de Paula Gaitán. Brasil, 1987. Experimental. 36’. Pelo Rio de Paula Gaitán. Brasil, 2007. Experimental.13’. Monsanto de Paula Gaitán. Brasil, 2008. Experimental. 22’. Kogi de Paula Gaitán. Brasil, 2009. Experimental. 13’. Memória da memória de Paula Gaitán. Brasil, 2013. Experimental. 26’.Exibição em H264. Classificação indicativa 14 anos

 

16h – Poética da memória  – Noite de Paula Gaitán. Brasil, 2014. Documentário/Experimental. 80’. Exibição em DCP. Classificação indicativa 14 anos

 

18h – Poética da memória  – Vida de Paula Gaitán. Brasil, 2008. Documentário/Experimental. 67’. + Lygiapape de Paula Gaitán. Brasil, 1991. Documentário/Experimental. 43’. Exibição em Bluray e H264. Classificação indicativa 14 anos

 

seg 13

19h – Pré-estréia Novos Curtas Brasileiros – Um dia sem gravidade de Julio Secchin. Brasil, 2016. Com Júlia Martins, Pedro Noronha e Ricardo Boechat. + Considerações sobre fumaça e musgo de Artur Miranda. Brasil, 2016. Com Tonico Pereira, Mariah Rocha e Clara Serejo. 11’. + Juliana de Luan Moreno. Brasil, 2016. Com André Cursino, Adressa Koetz e Núblia Coelho. 15’. Exibição em DCP.

 

ter 14

16h30 – Fotógrafos – Evando Teixeira – Instantâneos da realidade de Paulo Fontenelle. Brasil, 2003. Documentário. 76’. Exibição em 35mm. Classificação Indicativa Livre

 

18h30 – Poética da memória – Renato Berta de Paula Gaitán. Brasil/França, 2015. Documentário. 62’. Exibição em H264.

 

qua 15

10h – I Jornada Interdisciplinar de Som e Música no Audiovisual – Abertura

10h15 – I Jornada Interdisiplinar de Som e Música no Audiovisual – Mesa ”Musicais”, com comunicações de João Luiz Vieira, Jocimar Dias Jr e Ariane Holzbach.

14h – I Jornada Interdisciplinar de Som e Música no Audiovisual – Mesa ”Tecnologias digitais e práticas contemporâneas”, com comunicações de Afonso Cláudio Figueiredo, Schneider Souza e Orlando Scarpa.

16h – I Jornada Interdisciplinar de Som e Música no Audiovisual – Mesa ”Cinema silencioso e passagem para o cinema sonoro”, com comunicações de Fábio Lucas Jóia, Joice Scavone e Rafael Luna Freire.

 

18h30 – Poética da memória – Pela água de Paula Gaitán. Brasil, 2003. Experimental. 5’. + Histoire des images de Paula Gaitán. Brasil, 2016. Ensaio. 7’. + Iconográfico de Paula Gaitán. Brasil, 2016. Ensaio. 3’. Île re-sonante de Paula Gaitán. Brasil, 2015. Ensaio. 7’. Umbigo dos sonhos de Paula Gaitán. Brasil, 2015. Ensaio. 8’. Earth of Statues (Onde as estátuas habitam) de Paula Gaitán. Brasil, 2015. Ensaio. 13’. Lingua loka Ava Rocha de Paula Gaitán. Brasil, 2016. Ensaio. 5’. Subtle interferences de Paula Gaitán. Brasil, 2016. Documentário. 65’. Exibição em H264 e DCP. Classificação indicativa 14 anos

 

qui 16

10h – I Jornada Interdisciplinar de Som e Música no Audiovisual – Mesa ”Direitos Autorais para música no audiovisual”, com comunicações de Alexandre Negreiros, Márcio Pizzi de Oliveira e Leonardo de Marchi.

14h – I Jornada Interdisciplinar de Som e Música no Audiovisual – Mesa ”Som, voz e paisagem sonora no audiovisual”, com comunicações de Andreson Carvalho, Fernando Morais, Alexandre Brasil e André Luiz Gonçalves de Oliveira.

16h – I Jornada Interdisciplinar de Som e Música no Audiovisual – Mesa ”Música no cinema sonoro”, com comunicações de Ivan Capeller, David Tygel, Carlos Henrique Guadalupe Silveira e Bernardo Pellon.

 

18h30 – Poética da memória – Agnès Varda – A chuva no meu jardim (Agnès Varda – La pluie dans mon jardin) de Paula Gaitán. Brasil, 2015. Documentário. 28’. + Trilogia da morte de Paula Gaitán. Brasil, 2008. Documentário. 28’. + Erotismo de Paula Gaitán. Colômbia, 1997. Documentário. 22’. Exibição em H264 e DCP. Classificação indicativa 14 anos

 

sex 17

10h – I Jornada Interdisciplinar de Som e Música no Audiovisual – Mesa ”Em torno de Michel Chion”, com comunicações de Luiza Alvim, Rodrigo Maia Sacic e Rodolfo Caeser.

14h – I Jornada Interdisciplinar de Som e Música no Audiovisual – Mesa ”Som/imagem nas artes e tecnologias”, com comunicações de Analu Cunha, Aline Couri, Marcelo Carneiro Lima e Fernando Ariani.

16h15 – I Jornada Interdisciplinar de Som e Música no Audiovisual – Mesa ”O Descobrimento do Brasil”, com comunicações de Tatyana de Alencar Jacques e Carlos Eduardo Pereira. Classificação indicativa Livre

 

17h30 – I Jornada Interdisciplinar de Som e Música no Audiovisual – O cigano espanhol (The spanish gipsy) de David Wark Griffith. EUA, 1911. Com Wilfrid Lucas e Vivian Prescott. Intertítulos em inglês. Sessão com acompanhemnto ao piano por Cadu.

 

18h30 – Revisão Histórica – Terra sem Deus de José Carlos Burle. Brasil, 1963. Com Yara Lins e Maurício do Vale. 78’. Exibição em 35mm. Classificação indicativa 14 anos

 

sab 18

14h – Cineclube Parque do Flamengo: Brando, dos 27 aos 30 – O selvagem (The wild one) de László Benedek. Com Marlon Brando, Mary Murphy e Robert Keith. 79’. Legendas em português. Exibição em Bluray. Classificação indicativa 12 anos

 

16h – No tempo da Discoteca – A alegria da Disco (The joy of Disco) de Ben Whalley. Grã-Bretanha, 2012. Documentário. 59’. Exibição em MP4. Classificação indicativa 10 anos

 

17h30 – No tempo da Discoteca – Sábado alucinante de Cláudio Cunha. Brasil, 1979. Com Sandra Bréa, Djenane Machado e Rogério Fróes. 100’. Exibição em MP4. Sessão seguida de noite de autógrafos do livro “A primeira e única New York City: a discoteca que iniciou a era disco no Brasil”, de Mario Abbade e Celso Rodrigues Ferreira Junior. Classificação 14 anos

 

dom 19

14h – Projeto Memória do Povo – Meu Avô e a Grande Fome (Yeye de juhuang) de Guo Rui. China, 2013. Documentário. 75’. Legendas em português. Exibição em MP4. Sessão seguida de debate. Classificação 10 anos

 

16h30 – Projeto Memória do Povo – Ouvindo a história de minha Tia-avó (Ting San Nainaijiangguoqu de shiqing) de Wen Hui. China, 2011. Documentário, 72’. Legendas em português. Exibição em MP4. Classificação 10 anos

 

18h – Em Torno da Fome – Aqui deste lugar de Sérgio Machado e Fernando Coimbra. Brasil, 2015. Documentário. 87’. Exibição em DCP. Classificação indicativa Livre

 

seg 20

19h – Em cartaz – Revelando Sebastião Salgado de Betse de Paula. Brasil, 2012. Documentário. 85’. Exibição em H264. Sessão para convidados seguida de debate com a realizadora. Classificação Livre

 

ter21

18h30 – Em cartaz – Revelando Sebastião Salgado de Betse de Paula. Brasil, 2012. Documentário. 85’. Exibição em H264. Classificação indicativa Livre

 

qua 22

 

18h30 – Em cartaz – Revelando Sebastião Salgado de Betse de Paula. Brasil, 2012. Documentário. 85’. Exibição em H264. Classificação indicativa Livre

 

sex 24

18h30 – Em cartaz – Revelando Sebastião Salgado de Betse de Paula. Brasil, 2012. Documentário. 85’. Exibição em H264. Classificação indicativa Livre

 

sab 25

14h – Cineclube Parque do Flamengo: Brando, dos 27 aos 30 – Sindicato de ladrões (On the waterfront) de Elia Kazan. Com Marlon Brando, Karl Malden e Eva Marie Saint. 120’. Legendas em português. Exibição em Bluray. Classificação indicativa 14 anos

 

16h – Fotógrafos – Henri Cartier-Bresson: o olho apaixonado (Henri Cartier-Bresson: Biographie eines Blicks) de Heinz Bütler. Suiça, 2003. Documentário. 72’. Legendas em inglês. Exibição em MP4. Classificação indicativa Livre

 

18h – Em cartaz – Revelando Sebastião Salgado de Betse de Paula. Brasil, 2012. Documentário. 85’. Exibição em H264. Classificação indicativa Livre

 

dom 26

14h –  Fotógrafos – A fotografia oculta de Vivian Maier (Finding Vivian Maier) de John Maloof e Charlie Siskel. EUA, 2013. Documentário. 83’. Legendas em português. Exibição em Bluray. Classificação indicativa 10 anos

 

16h – Fotógrafos – A maleta mexicana (La maleta mexicana) de Trisha Ziff. México/Espanha/França/EUA, 2011. Documentário. 86’. Legendas em português. Exibição em DVD.

 

18h – Em cartaz – Revelando Sebastião Salgado de Betse de Paula. Brasil, 2012. Documentário. 85’. Exibição em H264. Classificação indicativa Livre

 

Ter 28

 

19h – Pré-estréia Orgulho olímpico, preconceito americano (Olympic pride, american prejudice) de Deborah Riley Draper. EUA, 2015. Documentário. 90’. Legendas em português. Exibição em ProRes. Sessão para convidados seguida de debate com a realizadora, o narrador Bruce Underwood, o velocista Robson Caetano e a diretora de cultura da Rio 2016 Carla Camurati, mediação da jornalista Flávia Oliveira. Classificação indicativa 10 anos

 

qua29

 

18h30– Sessão Extra – Orgulho olímpico, preconceito americano (Olympic pride, american prejudice) de Deborah Riley Draper. EUA, 2015. Documentário. 90’. Legendas em português. Exibição em ProRes. Sessão seguida de debate com a realizadora Deborah Riley Draper. Classificação indicativa 10 anos

 

qui 30

19h – Sessão Plano – O Santo e a vedete de Luiz Rosemberg Filho. Brasil, 1982. Com Lutero Luiz e Adriana de Figueiredo. 80’. Exibição em 35mm. Sessão seguida de debate com o realizador. Classificação indicativa 18 anos